A200 Dieta Mediterrânica Estudo de intolerância alimentar

Estudo de intolerância alimentar


Sabia que 20 a 35% da população apresenta sintomas associados a intolerância alimentar? Com uma simples colheita de sangue, pode conhecer já os alimentos que estão a ser prejudiciais à sua saúde.

A intolerância alimentar é uma reação anómala a determinados alimentos (não relacionada com a toxicidade), que afeta a atividade normal em indivíduos suscetíveis.A diferença entre as reações alérgicas imediatas e as intolerâncias alimentares é que estas últimas são mais difíceis de detetar, uma vez que não apresentam reação causa-efeito imediata (a reação ocorre entre 8 a 72 horas depois).Estima-se que aproximadamente 20-35% da população sofra de intolerância alimentar crónica a determinados alimentos. A supressão destes alimentos aos quais o indivíduo apresenta hipersensibilidade alimentar proporciona uma melhoria significativa na sua sintomatologia. Os alimentos podem voltar a ser inseridos na dieta, de forma gradual, após 6 meses.


As situações clínicas que se relacionam, de forma mais frequente, com a intolerância alimentar são:

Stress, infeções, antibióticos e o excesso de anti-inflamatórios são fatores, entre outros, que podem estar na origem deste problema. Os sintomas clínicos mais comuns são:

  • Perturbações gastrointestinais como dores ou cólicas abdominais, prisão de ventre, diarreia, inchaço abdominal, síndrome do cólon irritável.
  • Alterações psicológicas como ansiedade, letargia, depressão, fadiga, hiperatividade (principalmente em crianças).
  • Problemas dermatológicos como acne, eczema, psoríase, prurido, urticária.
  • Problemas neurológicos como dor de cabeça, enxaqueca, tonturas, vertigens.
  • Problemas respiratórios como tosse, bronquite, asma, rinite, dificuldade respiratória.
  • Problemas músculo-esqueléticos como dor, rigidez, artrite, fibromialgia e inflamações articulares.

Parcerias