Synlab Rastreio Bioquímico - Combinado

Rastreio Bioquímico - Combinado

Rastreio Combinado - Bioquímico

Esta é uma descrição breve sobre o Rastreio Pré-Natal. Em caso de dúvida recomendamos que consulte o seu médico assistente.

Rastreio Combinado do Primeiro Trimestre (Ecográfico e Bioquímico)

•      Efetuado entre as 11 semanas e as 13 semanas + 6 dias de gravidez, o Rastreio Combinado junta a informação de um exame ecográfico e os valores de doseamentos bioquímicos no sangue materno.

•      O exame ecográfico avalia com precisão a idade gestacional e a translucência da nuca (TN).

•      Na amostra de sangue são quantificadas duas substâncias - a fração livre da Gonadotrofina Coriónica Humana (free R-hCG) e a Proteína- A do Plasma Associada a Gravidez (PAPP-A) - que se encontram no sangue de todas as mulheres grávidas.

•     Os resultados dos exames ecográficos e bioquímicos são, depois, utilizados para calcular um risco específico para Síndrome de Down (trissomia 21), trissomia 18 e trissomia 13.

Precisão do Rastreio Combinado do Primeiro Trimestre: o Rastreio Combinado do 1º trimestre de gravidez (TN+freeR-hCG+PAPP-A) deteta 90% - 92% dos bebés com Síndrome de Down, podendo ainda detetar outras anomalias.

Rastreio Combinado Precoce

•      O Rastreio Combinado Precoce, é uma variante do Rastreio Combinado do 1º Trimestre, em que a avaliação dos marcadores é feita o mais cedo possível: a colheita de sangue e os doseamentos bioquímicos são efetuados entre as 9 e as 11 semanas; e os dados ecográficos são obtidos e incluídos no cálculo de risco as 11-12 semanas. 

•      Esta combinação permite retirar a melhor eficiência de cada um dos marcadores (taxa de deteção de 93% a 97%) e, ainda, permite fornecer o resultado logo após a execução da ecografia, podendo ser fornecido em ambiente médico e abreviando o processo de planeamento nos casos de risco aumentado.


Rastreio Pré-Natal do Segundo Trimestre

•      Efetuado entre as 14 e as 22 semanas.

•      A amostra é analisada para medir duas substâncias químicas chamadas Alfa fetoproteína (AFP) e Gonadotrofina Coriónica Humana 13-hCG que se encontram no sangue de todas as mulheresgrávidas.

•      Os resultados permitem calcular um risco para Síndrome de Down, trissomia 18, trissomia 13 e para DTN.

•      Precisão do Rastreio Pré-Natal do Segundo Trimestre: O Rastreio do 2º trimestre deteta>98% dos bebés com anencefalia, 90% dos casos de espinha bífida e 80% dos casos de Síndrome de Down.

Quando o Rastreio Pré-Natal mostra um risco aumentado

•      3 a 5% das mulheres têm um resultado com risco  aumentado.

•      No caso de o rastreio mostrar que o risco está aumentado,deverá considerar a utilização de outros métodos de rastreio e/ou diagnóstico.

•      O seu médico explicar-lhe-á sempre o resultado, sugerindo quais os testes subsequentes que deverá realizar (como o Teste Pré-Natal Não Invasivo, ecografia detalha da ou o diagnóstico pré-natal, o qual implica a realização de amniocentese ou colheita de vilosidades coriónicas para análise dos cromossomas do feto).

•      Como alternativa ao diagnóstico invasivo (i.e., amniocentese ou biópsia das vilosidades coriónicas), e agora possível a realização, a partir da 10ª semana de gestação, do teste pré-natal não invasivo, como o NEOBONA Prenatal Test, que a partir de uma amostra de sangue materno, deteta no DNA fetal a presença de trissomias 21, 18 e 13, o sexo fetal e as aneuploidias dos cromossomas sexuais (Monossomia X, XXX, XXY, XYY). O NEOBONA tem um grau de sensibilidade superior a 99% para a trissomia 21.

Quando o Rastreio Pré-Natal mostra um risco reduzido

      Para aumentar a taxa de deteção é agora possível a realização, a partir da 10ª semana de gestação, o teste pré-natal não invasivo, como o NEOBONA Prenatal Test, que a partir de uma amostra de sangue materno, deteta no DNA fetal a presença de trissomias 21, 18 e 13, o sexo fetal e as aneuploidias dos cromossomas sexuais (Monossomia X, XXX, XXY, XYY). O NEOBONA tem um grau de sensibilidade superior a 99% para a trissomia 21.


Nota importante

Um teste de Rastreio Pré-Natal indicando um risco reduzido não exclui a possibilidade de o bebé ter Síndrome de Down, Trissomia 18 ou outra anomalia dos cromossomas, nem elimina a possibilidade de defeitos congénitos, atraso mental ou outras doenças não detetáveis por Rastreio Pré-Natal, indica que existe um risco baixo para as anomalias consideradas.

Parcerias